blog

Voltar


O que te torna forte?
Publicado em 16.04.2018 // 0 Comentário
O que te torna forte?

Começo este texto te pedindo para você se colocar em uma situação imaginária: pense que você está em um auditório. Eu no palco e você na platéia, com várias outras pessoas. De lá, sem passar informação nenhuma, vou pedir que alguém seja voluntário para uma atividade que faremos na frente de todos.

Como você iria reagir? Você se ofereceria? Se a sua resposta foi não; por que? O que te faria não seguir em frente? Seria o medo? Talvez medo do desconhecido, de não saber o que poderia acontecer? Talvez medo de parecer bobo na frente de todos? Ou medo de não conseguir fazer o que será proposto da maneira correta?

Não importa a razão que te fez não subir ao palco ou aquilo que te impossibilitou de ter uma experiência. O fato é que você ficou preso em seus pensamentos, nas suas dúvidas e pode ter perdido a chance de ter ganhado um grande prêmio, só por ter subido lá.

O que eu quero mostrar aqui é que seus pensamentos possuem um grande poder sobre aquilo que acontece na sua vida. O que pensamos impacta diretamente em nossas ações, nas decisões que tomamos e nas coisas que experimentamos. Todos os dias pessoas perdem oportunidades incríveis por causa de limitações que elas mesmo se impõem.

Quantas vezes já nos pegamos no trabalho pensando: “Será que o que estou fazendo está bom o suficiente?”, “Será que o que estou fazendo está certo?”, “E se eu falhar, o que vão pensar de mim?”.

Quando entramos nessa espiral de dúvidas, mais e mais pensamentos negativos vêm a nossa cabeça, tornando nossa autoconfiança mais baixa e fazendo com que cada vez mais sabotemos nossas ideias. As vezes ficamos tão focados, ou preocupados, com o que as outras pessoas estão pensando sobre a gente ou nosso trabalho, que perdemos o foco de onde realmente gostaríamos de estar.

Batendo de frente com a filosofia

Neste ponto, podemos colocar Friedrich Nietzsche e o Rocky Balboa na mesma sacola e dizer que seu maior inimigo/adversário será sempre você mesmo:

“O inimigo mais poderoso que você poderá encontrar será sempre você mesmo”, Friedrich Nietzsche.

“O seu maior adversário é você mesmo! Acredito nisso no ringue e acredito nisso na vida”, Rocky Balboa,

Sei que neste momento você está se perguntando: “Ok, mas e aí, como eu fico?”. Vou te citar uma frase do Sun Tzu em “A arte da guerra”: “Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas.”

Organizando os pensamentos

O que significa conhecer a si mesmo? Significa saber sobre aquilo em que você é bom, que faz bem, que tem como potencial. E falo isso em termos práticos: “sou organizado”, “sou bom em conversar e me conectar com as pessoas”.

E o que significa “conhecer o inimigo”? Aqui a coisa amplifica! Vamos substituir a palavra “inimigo” por problema no trabalho, pessoa complicada, negociação a ser feita, negócio a ser aberto ou até o palco de uma palestra que recruta voluntários. O que quer que seja aquilo que você está lidando. O ponto em questão é conhecer e entender todos os aspectos que envolvem sua situação.

Colocando em prática

Comece se perguntando: No que realmente você é bom? Em seguida, antes de tender ao que não é e colocar um obstáculo à sua frente, mude a sua perspectiva e pense: o que quero como meu objetivo? O que devo fazer pra conseguir isso e quais os aspectos que podem me tirar do meu caminho traçado? Como devo lidar com eles? Outros problemas surgirão ao longo desses questionamentos, mas você precisará estar sempre atento em como solucionar estas questões e não deixar que as dúvidas te parem.

Isso precisa virar uma espécie de treino, um condicionamento. Com o tempo você irá substituir os pensamentos negativos pelos pensamentos positivos que te fortalecem, e que realmente te ajudam a avançar para o objetivo.

Quando você conseguir produzir mais pensamentos positivos do que negativos, poderemos dizer que você se tornou uma pessoa mais confiante. E é aí que nenhuma barreira irá te impedir de alcançar o que você busca. O diferencial é sempre encontrar e ter muito claro aquilo que te torna forte e alinhar esta “consciência” a um objetivo bem definido e de aspectos conhecidos. Se permitirmos que os pensamentos negativos tomem conta, deixaremos de acreditar em nossa capacidade e a partir daí todo o nosso trabalho termina.

Isso significa negligenciar os pontos negativos? Claro que não! Significa conhecê-los, aprender a lidar com eles, mas não dar a eles um peso maior do que precisam ter.

Gostou deste post? Compartilhe!


0 comentário(s)


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*

6 + 2 =

Assine a Newsletter

Assine e receba meus artigos por e-mail.